Sky Business Tower
Rua 1500, 820 – Sala 1901
Centro, Balneário Camboriú

Comprei um imóvel de frente para o mar! E agora, o que são as taxas de marinha? Por Juliana Schmatz

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

As tão faladas taxas de marinha, conhecidas como laudêmio, foro ou taxa de ocupação, são taxas pagas à Secretaria de Patrimônio da União (SPU) pelos proprietários dos imóveis que estão localizados em terrenos de Marinha pertencentes à União.

São tantos nomes e taxas que acabam confundindo a nossa cabeça. Algumas pessoas pensam que é a mesma coisa, outras nem sabem da existência das mesmas, e, quando realizam a compra de um imóvel frente mar se deparam com esses valores a serem pagos.

Então, vamos entender a diferença entre elas?

O laudêmio refere-se a um valor que deve ser pago à SPU para possibilitar a transferência de propriedade de forma onerosa.

O foro ou taxa de ocupação, por sua vez, são receitas patrimoniais de contribuição anual. É um percentual que deve ser pago para a SPU como se fosse uma “taxa de ocupação”. Você paga pelo usufruto de um imóvel em área litorânea.

Se você gosta de ler, continua que tem mais…

O que é o Laudêmio?

Laudêmio é uma receita patrimonial que a União recebe quando o ocupante transfere os direitos de ocupação ou aforamento para outra pessoa mediante título oneroso.

Trata-se de uma receita patrimonial devida à União Federal a cada transação onerosa existente sobre o imóvel aforado, ou seja, a cada compra e venda, permuta, cessão de direitos ou conferência de bens a fim de que a União autorize a transmissão do bem.

É pago uma única vez, porém, este pagamento deve ser feito a cada transferência da propriedade. Funciona com uma lógica parecida com o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis).

A DARF é gerada no site da SPU ou você pode contratar um despachante que cuidará de cada detalhe.

Ufa!! Primeira etapa superada, agora temos que fazer a comunicação à União. Sim, ainda tem mais! Após o pagamento é preciso comunicar a União e a mesma precisa emitir a Certidão de Autorização para Transferência de Titularidade (CAT), que vai autorizar a transferência da propriedade, podendo assim finalizar a escritura de compra e venda.

Atenção, após da emissão da CAT, ainda é preciso:

1) Alterar o responsável pelo imóvel no cadastro da SPU enviando um requerimento com documentos anexados, como RG do comprador e um título de aquisição do imóvel (como escritura ou matrícula atualizada). Sujeito a multa caso não comunique.

2) Receber uma resposta da SPU: o resultado da solicitação será enviado por e-mail, mas é possível também consultar o andamento do pedido no Portal da SPU.

Por isso, a ajuda de um profissional é sempre bem-vinda né!

Agora sim, é só aguardar a chegada da taxa de foro ou taxa de ocupação, valor pago anualmente e também recolhido pela SPU, que funciona “como se fosse um IPTU”.

Essas taxas têm valores e cálculos diferentes entre si. Mas, vou deixar essa pro próximo post meus queridos!

Espero ter ajudado vocês!

E aí o que vocês acharam desse conteúdo?

Leia também:

Open chat